sábado, 14 de abril de 2012

Páscoa: o renascimento... - 2.ª parte


Depois de recebida a notícia que ficaríamos no hospital por tempo indeterminado a angústia tomou conta de todos os recantos do nosso corpo que ainda não haviam cedido ao cansaço. Enquanto ele dormia, nós ficámos ali na sala reservada sem trocarmos palavras, sem dormir, sem acreditar no que nos estava a acontecer. Às 8 da manhã houve mudança de turno, a enfermeira C. (um anjo na terra) veio despedir-se com a certeza de que ele ía recuperar - sempre com um sorriso de orelha a orelha! O Dr. H.F. também se despediu e disse que o colega Dr. P. vinha ter connosco em breve...
Por volta do meio-dia o Xavi acordava lentamente e chamámos o Dr. P. que o iria observar. Depois de ter visto uma otite, olhou para a garganta e para os olhos, mexeu-lhe o pescoço, as pernas, os braços... Tudo isto num silêncio profundo. Terminada a "vistoria", afirma: «-Em princípio o bebé não terá qualquer dano neurológico!». Uffffffffaaaaaa, que grande alívio... Foi tão bom ouvir aquelas palavras, um verdadeiro «sopro no coração». De qualquer forma avisou-nos que o tratamento anti-viral era fundamental para a recuperação e que o nosso bebé estava com as "defesas em baixo" (glóbulos brancos) e que isso era um motivo de preocupação. Estariamos assim em «isolamento protetor» de modo a prevenir que o Xavi fosse sujeito a mais algum vírus ou bactéria que o debilitasse ainda mais. Como não havia quartos disponíveis no S.O (Serviço de Observação Pediátrica) iriamos ser transferidos para o Internamento de Pediatria, mas teriamos de aguardar naquela sala das Urgências. Ali ficámos prostrados, a olhar para o tecto, quando de repente irrompe por ali a dentro um médico das Urgências com um miúdo de 6/7 anos pela mão (dos tais que vomitavam sem parar...) e me diz: «-Vou pedir que fique aqui apenas um dos acompanhantes porque não há macas e temos de pôr aqui este menino!». Boquiaberta, devo ter feito a minha cara número 33... e ele ripostou: «-O que é que é? Isto é mesmo assim... Não fique com essa cara olhando para mim, não.» (imaginem todo o discurso com sotaque brasileiro). Neste momento explodi, já com lágrimas a escorrerem cara abaixo: «-Estamos aqui desde a meia-noite, recebemos um diagnóstico de meningite, não dormimos há mais de 24 horas...(pausa)... mas tudo bem (e passei-lhe a mão no ombro)». O João explode também e diz-lhe: «-Então mas o nosso bebé está com as defesas em baixo e vocês vão juntá-lo com alguém?!? Ele precisa de dormir e vocês só fazem barulho, estamos à espera do internamento e estamos aqui nas Urgências abandonados...». E o médico responde: «-Mas nós já estamos dando o apoio necessário...». Ao que eu respondo já de mala aviada para sair: «-E quem é que dá apoio aos pais?!?».

Esta continua a ser a grande questão que me assola: «-Quem é que dá apoio aos pais?!?». Durante o tempo do internamento as auxiliares (em especial a D. Margarida), as enfermeiras e os médicos fizeram o que podiam pelo bebé... mas e os pais?!? Ninguém nos bateu à porta do quarto e nos perguntou como é que nos sentíamos, ninguém veio racionalizar os nossos medos e vê-los de fora. Em cinco dias, ninguém veio... Era assim sempre: eu, ele, o bebé e os nossos medos a ocuparem o quarto todo por inteiro.

Quarto 18/19. Quando cheguei (depois de ir a casa tomar banho) já a avó B. tinha saído. Segundo disse o pai, muito incomodada com o papel colado na porta que dizia: «Isolamento Protetor». A maioria das pessoas nos corredores fugia de nós com medo de apanhar alguma coisa. Não percebiam que era ao contrário: nós é que estávamos sujeitos a que o bebé enfraquecesse. À noite (entre as 22h e as 8h) só pode pernoitar um dos pais... foi um sufoco para mim regressar a casa e não a sentir minha... parecia um fantasma... Quando me fui deitar tentava dormir e acordava em sobressalto e em pânico, enviava mensagens ao pai e lá consegui dormitar três horinhas. O domingo de Páscoa foi tranquilo: a médica que o veio observar disse que era normal ele dormir muito mas perguntou se ele poderia ter tido acesso a medicamentos, respondemos em uníssono: «impossível!»; almoçámos «ensopado de borrego» que a avó L. nos preparou; e o Xavi dormia, acordava bem-disposto e brincava, comeu sopa, comeu sozinho o 2.º prato, enfim... parecia estar tudo normal. Tão normal que resolveram tirar-lhe o soro. Essa noite a mamã ficou com o bebé que adormeceu profundamente à 1 da manhã. A mamã conseguiu dormir também entre as 2 e as 5.

Na manhã seguinte o Dr. O.F. veio com um diagnóstico diferente: as análises ao sangue do Xavi acusavam anti-depressivos. O quê?!? Como?!? Dissemos que isso era completamente impossível: ninguém nas nossas famílias toma anti-depressivos e por isso começámos a fazer filmes muito, muito dramáticos... Foi uma angústia tremenda... Tirando as primeiras horas nas urgências este foi o segundo momento mais aflitivo! Foi por esta altura que me fui a baixo, fui para a rua espairecer e tentar falar com o pediatra dele. Disseram-me que estava de férias mas que no dia seguinte nos iria visitar ao hospital... Naquela altura perdi a confiança nos médicos, achei que andavam «aos papéis», a tirar «nabos da púcara» e a «atirar postas de pescada» a ver se acertavam... Que revolta imensa! À tarde recebemos a visita da magnífica enf.ª C. a quem contámos as nossas angústias, ao que ela responde com uma gargalhada enorme: «-Ahahahahhahahahahahah quais anti-depressivos?!? As análises dele acusaram foi a dose cavalar de sedativos que tivemos de lhe dar... Ahahahahahhahahahahhahahaha». Ufffffffffffaaaaaaaa que alívio! Acham normal?!? Tinham-se esquecido de mencionar no processo que o bebé tinha sido sedado para fazer os exames... Inacreditável!

Quando vi a Dr.ª R. no corredor transmiti-lhe a mensagem mas passámos o resto do dia sem um pedido de desculpas ou uma explicação. Algures neste período de tempo voltaram a pedir análises: novo saco para a urina e nova picada para recolherem sangue. Na sala do Nemo, da Dóris e do tubarão esfomeado... Já ao final da tarde o pai já estava muito revoltado e começou a confrontar a enfermeira: «-O nosso bebé não come há 24 horas, ninguém lhe volta a pôr o soro, já vomitou e ninguém faz nada, só dorme... Onde é que andam os médicos?!? Queremos que alguém nos venha dizer alguma coisa...». A enfermeira viu-se obrigada a chamar os médicos que estavam nas urgências... Chegaram duas médicas a pedir desculpa pelo sucedido e a explicar os sintomas de uma «meningo-encefalite viral». Este era então o cenário... «-É normal que ele durma muito pois o cérebro está a recuperar. Normalmente o pior é quando ocorre alguma convulsão nas primeiras 24 horas. Eu própria tenho um filho com 4 anos que recuperou totalmente de uma encefalite viral. (...)». Voltei a panicar! Ao contrário do que seria normal em mim, não fui a correr para a internet à procura da doença, de testemunhos... nada... fiquei assim, só, a pedir que por favor não fosse nada daquilo. Voltaram a colocar-lhe o soro e por isso o regresso a casa parecia ficar cada vez mais inalcançável... Esta noite o pai voltou a ficar e eu vim para casa fazer «filmes».

Já era terça-feira e a esperança de sairmos dali em breve estava muito reduzida. O papá contou que a noite tinha sido muito agitada e que não tinha dormido nada... [abro aqui um parêntesis para dizer que o pai foi mesmo o melhor pai e marido do mundo, sempre pronto, sempre crente, sempre carinhoso, sempre o melhor!] Já eram umas 11 da manhã e de repente o Xavi acorda rabugento, vê o Mickey no computador, come uma papa e pede para ir para a cama. Nisto o Dr. O.F. chega, olha para ele e diz-nos para lhe calçarmos os sapatos porque ele queria vê-lo a andar... Assim fizemos... Quando abrimos a porta para o corredor ele correu-o de uma ponta à outra em menos de nada. O Dr. disse: «-Já vi o que queria ver!». Pouco tempo depois foi ter connosco e disse-nos que lhe ía dar alta... «-Vão para casa ele continua a tomar o Zovirax, em xarope, até 2.ª feira e depois vão ao pediatra dele. O Victor que o ature!!!».

Foi uma surpresa enorme... de um momento para o outro estávamos quase em casa... Que bom! Antes de irmos embora ainda perguntámos ao médico qual era o diagnóstico definitivo, o que é que ele tinha tido... ao que ele responde: «-Um vírus! Está a fazer tratamento para o vírus "a herpes" mas na minha opinião a causa poderá ter sido um enterovírus... Nunca saberemos ao certo... O que interessa é que ele recuperou as defesas e está a lutar sozinho...». E assim ficámos: sem certezas de nada e com muitas dúvidas... Estou ansiosa que chegue 2ª feira para colocá-las todas ao pediatra dele.

Aparentemente o Xavi está totalmente recuperado... Brinca muito, fala pelos cotovelos [no hospital aprendeu imensas palavras e até frases: «nã qué pã»/«não quero pão»], faz as birras normais para a idade, dorme uma sesta à tarde, come imenso [até fruta, banana que não comia desde os 10 meses e maçã reineta, que nunca tinha provado] mas na nossa opinião de pais a marcha não voltou ao que era... Parece que regrediu... de qualquer forma é uma falha muito ligeira, quem não o conhecia nunca se aperceberá... Foi um valente susto mas saiu-nos o «euromilhões» quando o diagnóstico inicial não se confirmou. Renascemos assim mais fortes!

Beijinhos enormes para todos os pais que passam/passaram pelo mesmo,
para todos os que nos apoiaram,
para o melhor pai do mundo,
para o bebé lutador...

T*******




21 comentários:

Anita disse...

teresa, que horror, nem quero imaginar.
mas ja acabou e o xavi ta bem, isso é o mais importante.
bj e descansem.

Ah! o pediatra é o victor hugo?

mão da mãe disse...

ufa, é assustador pensar sequer nesse cenário...
um grande beijinho para o xavi e para os pais pelo grande abalo que levaram...

Pequeniña disse...

Eu ainda não tenho filhos, mas deve ser um tormento quando estas situações acontecem. Mas o que importa agora é que o pequenino está bem :) Obrigada pela partilha, pode ajudar muitos pais em situação semelhante *

Vecas disse...

Através da querida Anita vim aqui ter, como sou mãe do Gustavo á cerca de 10 meses, imagino a tua aflição, ainda bem que tudo está regressar á normalidade, e que não passou de um valente susto!, beijinho grande!

Mamã da Caroxinha disse...

Olá Teresa, desculpa a intromissão mas sou seguidora da Anita e depois do que ela falou tinha de vir ver o que se passava...
Não posso deixar de comentar, dando-te toda a minha força e apoio,pois como mãe faço ideia o teu sofrimento!
Graças a Deus não passou de um enorme susto,pelo qual nenhuma mãe deveria passar, mas infelizmente estas coisas ainda acontecem...
O Xavi foi um grande lutador sem dúvida e vocês pais para isso contibuíam,porque pelo que falas sempre estiveram do lado dele apesar das dúvidas e da dor, cheios de apoio para dar ao vosso menino.
Espero que ele recupere a 100% e que o pediatra dele entretanto vos responda a todas as dúvidas e vos tranquilize.
Muita força! beijocas

TeresaP disse...

Bem... até estou emocionada convosco: muito obrigada a todas pelas palavras!!! Até 6.ª feira apenas um círculo restrito de familiares sabiam o que se passava.. eu basicamente tinha medo de ao falar nas palavras «meningite» e «encefalite» as atrair... desculpem não ter partilhado mais cedo, mas o medo continuava maior! Hoje estou super confiante que amanhã o médico nos vais dizer que ele já está bem! Assim espero...

Um grande beijinho a todas,
T*******

P.S. - Anita o pediatra dele é mesmo o Dr. Victor Hugo, que eu adoro!

Anónimo disse...

Olá Teresa descobri-te por aqui e fiquei super feliz mas ao ler o que acabei de ler tenho a certeza que vai tudo correr pelo melhor, estou a torcer pelo teu pequeno Xavi :)
Beijinhos
Gabriela Pereira (Gaby)

Anita disse...

é o pediatra da minha pimpolha tb, gosto muito dele, acalma-me sempre, é muito terra a terra e não ha ca stress com ele, gosto muito.
e depois conta como foi com o edico, e ele esta mais que bem ;)
bj

Anita disse...

e não tens que agradecer o miminho.
se fosse comigo, sei que era importante ter miminhos, tiveram um grande susto e merecem toda a força do mundo.
bj

Anita disse...

tens miminho no estaminé ;)
bj

Tania disse...

Olá Teresa, cheguei ao teu blog através da Anita. Quero apenas enviar-te muita força, muita coragem.
O teu pequenino é forte, é um lutador e daqui a uns tempos, o que os 3 passaram não será mais do que um pesadelo que já foi embora.

Beijinhos Grandes
Tânia

Mamã Petra disse...

Nunca aqui tinha vindo, mas hoje uma outra amiga falou em vocês li agora o que vos aconteceu e estou muito emocionada, estou mais emocionada ainda porque eu recuperei totalmente de uma meningo-encefalite viral aos 8 anos, e recuperei e fui tratada porque a minha mãe foi teimosa e não os largou enquanto não me fizeram a punção lombar. São as grandes provas e lições de vida de uma mãe.

Beijinhos grandes.

Turista disse...

Teresa, vim aqui ter através de uma amiga comum e estive a ler o vosso longo sobressalto! Ainda bem que o Xavi, já está em franca recuperação.
Um abraço.

TeresaP disse...

Bom dia minhas queridas:

Muito obrigada pela força e empatia de todas!

Anita - Ai que miminho tão bom! Mais um selo... assim que puder vou tratar de o passar a mais alguém...
Tânia - Realmente já olhamos para trás como se fosse um pesadelo longínquo, mas é bom tê-lo sempre presente para sabermos a grande «prova» a que estivemos sujeitos...
Mamã Petra - Mais uma lutadora! As mães neste caso são mesmo autênticas leoas...
Turista - Um lonnnngggggoooooo sobressalto (desculpem a seca!) Acho que conseguia mesmo escrever um livro com o que se passou na minha cabeça e no meu coração apertados!
Gaby - Não me digas que és mesmo... a GABY??!?!?!? A Gaby da Faculdade?!?!?!?!?!?!?? Se fores dá-me um sinal... fico muito feliz que me tenhas encontrado. Estou sempre a contar as nossas peripécias nas «Longas»...

Beijinhos enormes a todas,
T*******

Anónimo disse...

Sim teresa sou mesmo eu :) a Gaby do bacalhau com natas lolololol
espero que esteja tudo bem com o teu xavi :) a sério.

Gaby disse...

Teresa sou mesmo eu!!! :) a Gaby

TeresaP disse...

Ohhhhhh Gaby!!! Que bom ter-te reencontrado... Já vi que criáste um blog e por isso vou-te colocar aqui na lista de blogs que sigo... Tens de deixar o pessoal comentar... Vai às configurações alterar isso... eu pelo menos não consegui comentar... e quero!!! Também adorei esta coincidência!!! Mesmo... Beijinhos enormes, T*******

Marisa disse...

Minha querida Teresa, deixei a nossa corrente no nosso grupo. Festejei quando recebemos a boa noticia que o Xavi, estava finalmente recuperado. Ainda assim ao ler o teu relato não fui capaz de conter as lágrimas. Não imagino a vossa dor, mas tenho a certeza que todos os momentos que vocês ultrapassaram vos tornaram ainda mais fortes.
Um grande beijinho :)*

TeresaP disse...

Obrigada Marisa!!! Foi mesmo... ficámos bem fortes e muito felizes por nada de pior ter acontecido... Vencemos!!! Beijinhos grandes******T

Claudynha disse...

Ai como eu passei mal nesses dias, sem saber do meu Xavi.
Todas as meninas a quererem noticias e eu sempre com medo de enviar msg( por estar a ser chata ou assim) e ainda por cima o gui desapareceu com o tel por umas horas. era eu feita louca à procura sempre a pensar no meu Xavi.
Ainda bem que está tudo bem com ele. E temos msm que combinar um encontro =P É uma vergonha msm aqui ao lado e nunca nos encontramos =)

Bjs

TeresaP disse...

Ohhh Claudynha! Obrigada por teres sido a nossa ponte de contacto... Temos mesmo de nos encontrar vizinha! Bjs grandes******T

Enviar um comentário